quinta-feira, 30 de maio de 2013

Pontuação


Quando leio textos alheios,
Não sei se escrevo feio ou devaneio.   
Quero mostrar o que me parece bonito
Me deixar pontuar o infinito.

Quero eliminar os guardiões da escrita
E mostrar que escrevendo, sou desenhista.
Quero colocar pausa,
Encher de graça a palavra e  lhe dar asa.

Vou pontuar o percurso
Iluminar o  escuro
Correr livre pra  alegria
Inebriar de  luz e euforia
Eu e você... Sem ponto final
Sem regras, sem moral.


Élida Regina 


2 comentários:

  1. O que vale é escrever! "Encher de graça a palavra" nos alivia o dia-a-dia! Belas palavras!

    ResponderExcluir